px acessibilidade mapa do site contactos pesquisa área de entidades copyright       
px
px Delegação px Noticias px Eventos px Entidades px Museu px Formulários px FAQ px Hiperligações px Procedimentos Concursais Comuns px Contratação Pública px
px
px
Distrito de Leiria   Distrito de Coimbra   Distrito de Coimbra (2)   Distrito de Viseu   Distrito de Aveiro   Distrito de Aveiro (2)
px

Distrito de Coimbra > Concelho de Coimbra >
FADE INTO NOTHING - CAV. Centro de Artes Visuais

FADE INTO NOTHING - CAV. Centro de Artes Visuais px
7/10/2017 a 28/10/2017
Apresentação do filme 7 de Outubro |sábado | 18h00

Projeções
14, 21 e 28 de outubro, às 18h00
O CAV apresenta Fade Into Nothing, um projeto de Paulo Furtado, Pedro Maia e Rita Lino. Fade Into Nothing é um falso diário sobre a viagem de um homem que, mais do que desaparecer, procura chegar a nada, procura ser nada.

FADE INTO NOTHING
Portugal, 2017, 70min, Super 8 transferido para DCP
Fade Into Nothing é um falso diário, com registos em fotografia, filmes Super 8mm, música e textos, fruto de três visões sobre a viagem de um homem que, mais do que desaparecer, procura chegar a nada, ser nada. Fade Into Nothing está integrado no projeto How To Become Nothing que junta o músico The Legendary Tigerman, a fotógrafa Rita Lino e o realizador Pedro Maia numa road trip pelo deserto da Califórnia.
Um road-movie, um falso diário em super8 e fotografia, com textos de Paulo Furtado, fruto de três visões sobre a viagem de um homem que, mais do que desaparecer, procura chegar a nada, procura ser nada.

Um projeto de Paulo Furtado, Pedro Maia, Rita Lino
Argumento
Paulo Furtado, Pedro Maia, Rita Lino
Realização
Pedro Maia
Diário escrito e gravado por
Paulo Furtado
Direção de arte
Rita Lino
Fotografia
Rita Lino
Câmaras
Pedro Maia, Rita Lino
Música
The Legendary Tigerman
Produtores
Paulo Ventura, Rodrigo Areias
Produção
Bando À Parte
Co-Produção
Metropolitana, Discos Tigre

PAULO FURTADO / THE LEGENDARY TIGERMAN
The Legendary Tigerman é o alter-ego de Paulo Furtado, multifacetado artista de Coimbra. Inspirado no velho formato de ‘one-man-band’, nascido nas margens do Delta do Mississipi, o músico transporta este conceito para o Século XXI, com uma estética muito particular. Ao formato analógico tradicional (bombo, prato de choque, guitarra) juntam-se, sem pudor, soluções eletrónicas. Ao vivo, as prestações não permitem
indiferença na assistência – um homem, diversos instrumentos, o passado fundido com o amanhã. Em 2009, depois de três discos a solo, editou Femina, com a participação de várias artistas convidadas, que conquistou um disco de platina. Recentemente, em 2014, The Legendary Tigerman lançou True, que tem sido apresentado em diversos concertos pela Europa.

PEDRO MAIA
Pedro Maia trabalha principalmente em torno do conceito de “Analogue Cinema”, explorando a potencialidade do próprio meio, expandindo a estética e “herança” técnica do trabalho em película de 16mm e 8mm. Os seus filmes têm sido apresentados em vários festivais de cinema e galerias, como Tokyo Contemporary Art Museum, Armenian Center for Contemporary Experimental Art, MACBA Barcelona, Edinburgh International Film Festival, Curtas Vila do Conde, Indie Lisboa, entre outros. Desde 2004, explora o
conceito de “Live Cinema”, manipulação de imagens em tempo real e a sua relação com o som e música, trabalhando com músicos como Panda Bear, Lee Ranaldo, Fennesz, Vessel, Craig Leon, Demdike Stare, Shackleton, Jacaszek, Tropic of Cancer, Porto Remix Exemble… E apresentando essas colaborações em importantes festivais (Sonar, Unsound, Berlin Atonal, All Tomorrow’s Party, Mutek, Dekmantel, TaicoClub Japan, Red Bull Music Academy,…) assim como instituições de renome (Museu de Serralves, Casa da Música, CA2M Centro de Arte Dos de Mayo, Eye Film Museum, Caixa Forum, entre outros).

RITA LINO
Rita Lino tem vindo a desenvolver séries de fotografias que exploram uma “obsessão natural” com o “eu”, um contínuo “trabalho em progresso”, que usa o autorretrato e o corpo como matéria primária para ser recriado e exorcizado. A autora descreve a sua fotografia como instintiva, intimista, narcisista, cheio de emoções e sensações, um diário com mil interpretações possíveis, um centro de reabilitação autossustentado e delineado pela transparência brutal de sua própria vida. Já editou dois livros de fotografia (All the Lovers, Sauna, 2013; e Enteartete, Éditions du Lic, 2014) e apresentou o seu trabalho internacionalmente. A autora também tem vindo a colaborar com diversos projetos e iniciativas internacionais, assim como o seu trabalho tem vindo a ser publicado em inúmeras revistas internacionais.

Local

CAV. Centro de Artes Visuais

Outras informações

centro de artes visuais
Colégio das Artes (Pátio da Inquisição, 10)
Apartado 6026
3000-221 Coimbra
Portugal
T. +351 239 836 930
F. +351 239 820 154
E. catarinaportelinha@cav-ef.net

Áreas

Eventos no mesmo Concelho

 

* A informação aqui apresentada foi disponibilizada pelas Câmaras Municipais e/ou agentes culturais. A DRCC declina a responsabilidade sobre qualquer erro e/ou omissão.