px acessibilidade mapa do site contactos pesquisa área de entidades copyright       
px
px Delegação px Noticias px Eventos px Entidades px Museu px Formulários px FAQ px Hiperligações px Procedimentos Concursais Comuns px Contratação Pública px
px
px
Distrito de Leiria   Distrito de Coimbra   Distrito de Coimbra (2)   Distrito de Viseu   Distrito de Aveiro   Distrito de Aveiro (2)
px

Distrito de Coimbra > Concelho de Coimbra >
Peça do mês no Mosteiro de Santa Clara-a-Velha

Peça do mês no Mosteiro de Santa Clara-a-Velha px
1/3/2017 a 31/3/2017
Março

Espátula em metal
Inv. MSCV- IU734
Dimensões
Comprimento (mm): 89
Largura (mm): 12

Espátula, constituída por dois elementos talhados: a lâmina e o cabo. A lâmina apresenta ambas as arestas retilíneas, forma trapezoidal. O cabo delgado de secção cilíndrica e com decoração relevada, ornamentado no meio e terminando em botão.
Encontrada durante as escavações arqueológicas no Mosteiro de santa Clara-a-Velha no ano de 1997, no Lavabo.

Esta peça pode ser observada na Exposição Permanente “Freiras e Donas de Santa Clara – Arqueologia da Clausura” e o tema explorado na Oficina do Serviço Educativo, "Botica Monástica", que decorrerá já no próximo fim-de-semana de 11/12 de março. + inf https://www.facebook.com/events/702449113262771/

“O espólio móvel do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha aponta para a existência de um grande número de vasos de tipologia variada, habitualmente referidos, na literatura arqueológica relativa aos séculos XVI a XVIII, como pertencentes a boticas.
A botica pode ter sido uma dependência de pequenas dimensões e não um espaço especializado. Podia ter existido dentro da própria enfermaria do Mosteiro, cingida a alguns armários e nichos praticados na parede e onde uma simples mesa poderia ter servido de mostrador.
A Regra das Irmãs de Santa Clara prevê, expressamente, a existência de uma enfermaria e sabe-se que Isabel de Aragão fundou um hospital, com vista a admitir, para tratamento, quinze homens e quinze mulheres.
A profissão de boticário aparece no fim da Idade Média, como resultado da diferenciação entre «especieiro» e comerciante de medicamentos, até então vendidos por aquele.
Sabe-se que os mosteiros retiravam largos proventos da venda de medicamentos às populações das zonas onde existiam, bem como a viajantes de passagem ou mesmo a quem buscava a proteção da Igreja para fugir à Justiça, além de fornecerem outros mosteiros desprovidos de boticas e de hospitais.
O Mosteiro de Santa Clara de Coimbra tinha o privilégio de receber especiarias e açúcar, o que pode ligar-se com a culinária, e designadamente com a doçaria, mas também com a preparação de fórmulas terapêuticas.
A preparação dos medicamentos requeria um conjunto de vasos e utensílios entre os quais, por estarem representados no espólio de Santa Clara, referimos espátulas, almofarizes, cadinhos (godets), copos de mistura ou de medida, jarros de medida, coadores, panelas, fogareiros.”
(Cuidados de higiene e de saúde em uma comunidade monástica do século XVII: o caso do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha de Coimbra)

Local

Mosteiro de Santa Clara-a-Velha

Outras informações

Mosteiro de Santa Clara-a-Velha
Rua das Parreiras
3040-266 Coimbra
Telefone
239 801 160
E-mail
mosteiro.scvelha@drcc.gov.pt

Áreas

Eventos no mesmo Distrito

Eventos no mesmo Concelho

 

* A informação aqui apresentada foi disponibilizada pelas Câmaras Municipais e/ou agentes culturais. A DRCC declina a responsabilidade sobre qualquer erro e/ou omissão.